News and Events

International Partnerships - Investigate at home, as it's done abroad

Fraunhofer Portugal was mentioned on the news as an example of research made in Portugal resulting from the international partnerships signed by the FCT and various foreign universities and institutions, such as Fraunhofer-Gesellschaft. You can read an excerpt of the original text (in PT) here:

Parcerias internacionais - Investigar cá dentro, como se faz lá fora

Tratar a indústria como cliente

Melhorar produtos que já existem ou criar produtos novos é também a filosofia do Fraunhofer Portugal. À semelhança do que acontece com o instituto Fraunhofer alemão, o grande objectivo desta instituição "é criar valor e dar retorno à sociedade pelo investimento que esta faz na investigação", explica Dirk Elias, presidente do comité executivo da organização e presidente do FhP AICOS, ou Centro de Pesquisa para Soluções de Informação e Comunicação Assistiva, o primeiro centro de investigação da Fraunhofer Portugal.

"Tratamos a indústria como nosso cliente", afirma, acrescentando que estão abertos a trabalhar com as universidades para satisfazer as necessidades dos clientes. Em termos de empresas com quem têm trabalhado conta-se não só a Deutsche Telekom, mas também a TNL, uma empresa nacional que trabalha na área do desenho industrial aplicado a soluções ambientais, com quem estão a desenhar um sistema que ajuda a organizar resíduos. Já com a EFACEC, por exemplo, o trabalho tem consistido no desenvolvimento de aplicações para internet móvel para dar apoio à gestão dos recursos humanos (supervisão e envio de dados) através de aplicações multimédia disponíveis nos smartphones.

Mover: telemóveis que sentem

Os telemóveis há muito que deixaram de ser meros aparelhos para fazer e receber chamadas, mas conseguir que detectem quedas do utilizador, distingam se este está a andar, a correr ou sentado num automóvel ou num autocarro, saber se está inconsciente ou simplesmente contabilizar a quantidade de movimentos de uma pessoa ao longo do dia, isso já parece mais estranho. Mas é isso que uma equipa de investigação está a fazer no centro Fraunhofer Portugal, no projecto 'Mover'.

Filipe Abrantes é um dos responsáveis e explica que o objectivo é "tirar partido da elevada capacidade de processamento e dos inúmeros sensores (acelerómetro, bússola, GPS) que os telemóveis actuais possuem, para detectar quedas do portador do telemóvel e eventuais situações de emergência". Um projecto tanto mais importante quando se olha para a realidade, diz Filipe Abrantes, já que cerca de um terço das pessoas com idades superiores a 65 anos caem pelo menos uma vez por ano.

Mas esta tecnologia poderá ter outros fins. Um vigilante nocturno pode transportar consigo um telemóvel que avisa uma central de vigilância no caso de ser atacado e ficar inconsciente; ou pode ser aplicada em situações que envolvam actividades de risco, como é ocaso da escalada ou do ski. Filipe Abrantes diz que a grande vantagem em trabalhar no Fraunhofer Portugal AICOS é conseguir manter a ligação à investigação e, ao mesmo tempo, ter o contacto com a indústria. Afirma, no entanto, que apesar de alguns casos de sucesso, as relações e parcerias com empresas têm sido mais difíceis de estabelecer do que se pensava à partida.

...

 

Source: 09.06.2010, Jornal de Negócios